Maduro e Putin conversam após diplomata sugerir atividade militar

Por Léo Brasil 20/01/2022 - 18:27 hs
Foto: Divulgação internet.

AP – O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, disse nesta quinta-feira (20) que conversou por telefone com o presidente russo, Vladimir Putin, sobre a cooperação entre os dois países.


A ligação ocorreu uma semana depois que o principal negociador da Rússia em conversas com os EUA sobre as tensões sobre a Ucrânia disse que “não confirmaria nem excluiria” a possibilidade de a Rússia enviar recursos militares para Cuba e Venezuela se os EUA e seus aliados não reduzirem suas forças armadas. atividades à porta da Rússia.


O gabinete de Maduro em comunicado disse que Putin “expressou todo o seu apoio multidimensional e apoio à defesa da soberania e à busca do desenvolvimento” do país sul-americano. O comunicado disse que os presidentes falaram do aumento do comércio entre os dois países, o lançamento do serviço aéreo entre a capital da Venezuela, Caracas e Moscou, e o fornecimento da Rússia de vacinas COVID-19 aos venezuelanos.


“Trocamos questões relacionadas à cooperação existente em várias áreas estratégicas no mais alto nível, uma relação que se fortalece pela união inquebrável de nossos povos”, tuitou Maduro.


O vice-chanceler Sergei Ryabkov, que liderou a delegação russa nas conversações com os EUA em Genebra, em 13 de janeiro falou da possibilidade de enviar recursos militares para os dois aliados de seu país no Hemisfério Ocidental. O conselheiro de segurança nacional dos EUA, Jake Sullivan, descartou os comentários como arrogância.


Questionado na segunda-feira sobre a possibilidade de implantação de mísseis russos em Cuba e Venezuela, o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse a repórteres que “a Rússia está pensando em como garantir sua segurança no contexto da situação atual”.


Em dezembro de 2018, a Rússia despachou brevemente um par de seus bombardeiros Tu-160 com capacidade nuclear para a Venezuela em uma demonstração de apoio a Maduro em meio à pressão ocidental.


A Rússia é um grande aliado político da Venezuela, que se tornou cada vez mais isolada sob sanções econômicas impostas pelos EUA e pela União Europeia, acusando Maduro de minar as instituições democráticas para manter o poder, enquanto supervisiona uma enorme crise econômica e política.


Os EUA não consideram válida a eleição presidencial de Maduro em 2018 e, em vez disso, reconhece o líder da oposição venezuelana Juan Guaidó como o líder legítimo do país problemático.


Direitos autorais 2022 The Associated Press. Todos os direitos reservados. Este material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem permissão.




*Gazeta Brasil